filmow.com/usuario/gustavcarvalh/
    Você está em
  1. > Home
  2. > Usuários
  3. > gustavcarvalh
24 years (BRA)
Usuário desde Outubro de 2011
Grau de compatibilidade cinéfila
Baseado em 0 avaliações em comum

"crianças, ficção é a verdade dentro da mentira, e a verdade desta ficção é bastante simples: a magia existe." - stephen king

tumblr: http://nu-religion.tumblr.com/ ● instagram: https://www.instagram.com/gustavcarvalh/ ● mais aqui: https://about.me/gustavcarvalh

Últimas opiniões enviadas

  • Gustavo Carvalho

    Primeiramente... não sou muito fã de filmes de heróis e não conheço muito do universo, tanto da DC, Marvel ou seja lá o que tiver essa temática no meio. Mas, como é cinema, tentei assistir de mente de aberta e confesso que estava com uma certa expectativa sobre Liga da Justiça, ate porque adorava o desenho quando criança.

    Minha opinião não se baseia em desenho, quadrinhos ou outros filmes, mas sim no que presenciei assistindo Liga da Justiça.

    "Everybody knows the war is over. Everybody knows the good guys lost. Everybody knows the fight was fixed. The poor stay poor, the rich get rich. That's how it goes. Everybody knows."

    Começo pela abertura com cenas bem feitas e musica bem escolhida, o que torna tudo muito bonito e tocante, essa abertura parecia dizer que teríamos um filme profundo e bem desenvolvido, mas que enganação, porque o filme consegue se afogar no raso.

    Mesmo que em uma historia rasa, é impressionante o quanto coube de frases piegas e piadinhas sem graça, em meio dessa confusão de narrativa é triste ver os pobres heróis se esforçando para salvar o filme. É claro que todo filme possui seus erros, mas JL consegue deixar um gosto amargo na boca, mas isso sera esquecido rápido, assim como o próprio filme que não se esforça em um momento pra ser marcante ou impactante, onde fica confortável no genérico de sempre.

    Herois:
    Superman: tem uma volta totalmente sem graça e ainda engata um drama forçado, mas pelo menos ele agora parece simbolizar muito mais sua personalidade de poder e esperança.
    Mulher maravilha: gal gadot como sempre é carismática e consegue deixar sua marca para que seja lembrada depois, ainda mais com o seu companheiro chamado slow motion.
    Flash: é perceptível de muito longe o quanto ezra miller esta a vontade no papel e não demonstra esforço algum em construir o personagem, ele e o roteiro ficam presos nas piadas e humor forçado que conseguem tornar esse herói em um dos mais chatos e esquecíveis da liga. Sem contar as incansáveis caras e bocas que o ator faz em todos os momentos.
    Aquaman: esta no mesmo nível de personagem do filme do esquadrão suicida.
    Batman: sofre uma drástica mudança de personalidade, infelizmente.
    Cyborg: o personagem se esforça.

    Vilão: tem a unica responsabilidade de juntar a liga e mesmo que cause uma destruição enorme, não gera impacto algum, tornando tudo sem importância.

    O filme é apressado e as soluções caem do céu nas mãos dos heróis, deixando o filme leve e sem peso dramático, desperdiçando varias cenas e dando espaço para que seus 119 minutos tenham uma carga excessiva de alivio cômico sem graça e drama forçado. No fim é apenas uma aventura sem compromisso algum, com intuito de juntar os heróis mais importantes para tentar recuperar o primeiro dos super heróis: o superman.

    Mesmo que muita gente não goste do Zack Snyder e que ele tenha altos e baixos, ainda acredito que Liga da Justiça seria melhor se ele tivesse finalizado o filme. Porque sendo diretor de Watchmen e Sucker Punch e tendo boa condução de cenas de ação, ele merece respeito.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Gustavo Carvalho

    Depois de assistir essa obra maravilhosa do Darren Aronofsky, fica difícil organizar as palavras e os pensamentos para escrever. Faço dessa crítica uma forma de agradecimento.

    Dareen reconta uma antiga história, nos mergulhando em uma atmosfera sombria e proposital, com sua narrativa provocativa, explícita e cheia de metáforas. Mãe se demonstra de difícil de digestão, comprovando que Dareen vai muito além da superfície de sua história, o que deixa claro sua criatividade e talento.

    Tudo gira em torno da personagem de Jennifer Lawrence e a escolha se mostra um acerto. Logo, a obsessão sobre a personagem é vista, tendo poucos momentos em que não é o foco da câmeras. Sabendo disso, a atriz sabe se comportar desde os momentos de pureza/desconforto, até os de explosão e terror. Que Jennifer Lawrence continue crescendo como atriz, porque potencial e talento ela tem.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Mãe apenas exemplifica o quanto não somos auto importantes, entramos em uma casa acreditando sermos donos, mas no fim somos apenas visitantes sem bons modos. A crítica ambiental é uma belíssima surpresa, a deterioração e crueldade que é muitas vezes ignorada, mesmo que a natureza seja nosso ponto de nascimento, descobrimento, crescimento e evolução humana. É nela que aprendemos sobre a beleza única da vida, assim como através de atitudes e histórias nos permitimos acreditar que somos donos e podemos abusar ao máximo dela.

    Ela nos acolhe, com desconforto e medo, porque nós como criação não sabemos o limite ao receber uma boa recepção. Assim como a natureza aguenta tortura, ela sabe revidar em um mundo que é feito apartir dela. Nunca estaremos preparados para aguentar sua fúria e rezamos que em meio ao caos, ela não morra e reinicie o processo de restauração da vida.

    Em que momento da mente humana, nos perdemos, a ponto de acreditarmos que temos um direito absurdo sobre tudo que habita aqui? Nós classificamos como humanos pensantes e inteligentes, enquanto são os animais que sabem o seu lugar, até onde usufruir e como dar devido valor para onde vivem.

    A metáfora da mãe natureza também se encaixa sobre a mulher e o quanto de dor e repressão ela pode sofrer. A crítica sobre machismo é singela, mas representa o quanto as ideias fanáticas e conservadoras causam impacto. São pequenas críticas sobre atitudes humanas, mas necessárias.

    Javier Bardem(o poeta) tem uma atuação que em poucos momentos exige uma carga dramática maior, mesmo assim consegue deixar imposta toda a essência fria, egocêntrica e misteriosa do personagem.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Seria Deus um ser egocêntrico e cego diante do amor/obsessão da sua criação? É mais do que evidente a vontade do personagem em ser importante e em demonstrar que o mundo gira em torno dele. É tudo sobre ele.

    Alguns pontos:
    I. Mãe em certo momento diz que Deus não a ama, mas sim o amor que ela tem por ele. Ela doa tudo que tem de si mesma e não é o suficiente, o que serve como metáfora para a relação entre humanidade e natureza.

    II. Deus em seu final, deixa claro a forma abusiva que trata a mãe natureza, deixando ela presa na ideia que foi feita para ser compartilhada, abusada, explorada e machucada. A mãe natureza não tem vontade própria, pode aguentar uma surra e até mesmo revidar, mas no fim é apenas um presente dado para nossa humanidade. É por isso que muitos rezam para Deus e viram a cara para a mãe natureza.

    Essa ideia que somos auto importantes seria reflexo de algo antigo? Seria Deus uma imagem da humanidade?

    A falta de força e carga dramática no personagem, acontece também com Ed Harris(o médico) e outros personagens. Não é um ponto negativo.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    Adão é o personagem imposto como fã de Deus e seu respeito/submissão sobre ele é bem evidente. Diferente de Eva que é indisciplinada e curiosa, Adão respeita sua casa de certa forma.

    Porem temos mais elogios ao elenco feminino, contando com Michelle Pfeiffer que está incrível em sua personagem provocadora, misteriosa, curiosa e desconfortante, fazendo com que sua presença na casa seja ainda mais incomoda.

    Comentário contando partes do filme. Mostrar.

    A representação de Eva é condizente com sua descrição através da Bíblia, mesmo que a moldagem da história do filme pareça um pouco diferente. A submissão de Eva é muitas vezes vista na personagem, dando dicas de como agir e se vestir para o homem, e exercendo a ideia que é preciso ter um filho para segurar um homem(ou Deus) e um relacionamento. A curiosidade de Eva sempre foi ponto vital da personagem e isso é bem colocado na historia, principalmente no momento que ela e Adão entram onde não deveriam e quebram o item fundamental da casa.

    A crítica é sobre a forma como lidamos com figuras e ídolos sagrados, o fanatismo e a obsessão pela cultura religiosa, onde seus impactados são deixados de lado. Não esquecendo a belíssima e forte crítica ambiental. Mother nos entrega um produto em processo de deterioração, aberto para discussões interessantes, perguntas e visões completamente diferentes/únicas.

    Desculpa mãe, por estar presa em sua própria casa, com visitantes sem bons modos.

    Você precisa estar logado para comentar. Fazer login.
  • Alberto Brochieri
    Alberto Brochieri

    Muito grato Gustavo! Estou bem, leve... E por ai?

  • Anderson
    Anderson

    Muito obrigado, querido ღ

  • Wilker Leal
    Wilker Leal

    Ah, eu tô tirando um tempo pra rever filmes que amo haha basicamente minha lista de favoritos. Estou vendo pouco filme novo por enquanto, mas já tô pegando ideia dos seus favoritos pra começar minha nova temporada de filmes novos hehehe